Amor e sazonalidade

Tenho pensado muito nisto das estações do ano
Repetidas, infinitamente, até à loucura.
A mãe agora é inverno.
É sempre inverno.

E eu que sempre procurei por ti
na primavera,
deparo-me
com a caducidade irrevogável
da tua carne.
Sem verde,
sem flores,
sem pássaros.
Só um rasto
do que um dia existiu em verso.
Era bonito, dá para ver.

O inverno ama-se numa só palavra:
compaixão.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s